Finalmente novo.

 


  Olá linda noite, não perfeita, mas ainda sim... Linda. Está bem frio por aqui, não por conta do ar, tem ar condicionado, mas por causa dos pensamentos mais frios que o inverno que bate na minha janela embaçada, do livro de romance que eu li a pouco, daquele filme ridículo e real que assisti na madrugada de ontem, talvez pela voz da minha cantora predileta e com certeza por causa de saudade das coisas que não vão voltar jamais.

   Todo mundo se sente assim, até a pessoa mais desprendida do mundo sente saudade, e ela não é ruim, se não existisse saudade não haveria amor. E por mais que o tempo passe, pessoas importantes que já morreram ficticiosamente no nosso dia-a-dia continuam bem vivas no nosso coração, nada muda isso, nem tempo, nem todos os prazeres conquistados, nem todos os olhares e sorrisos trocados, continua bem forte, como a força do sino da catedral quando toca as cinco horas da manhã todo domingo.
  Esse novo rumo, esse novo mundo ao redor, está animada ou talvez tentando ficar animada com o futuro, sempre incerto...Misterioso.

  Falsas promessas ou até nem tão falsas assim, só pra colocar o exagero da frase em alto nível já que as verdadeiras falsas promessas faziam parte de toda uma história de tal forma que agora elas merece um crédito por aqui, onde elas não existem mais, onde é calmo e surpreendentemente automático cada pequena coisa que acontece... Não confie em ninguém meu bem! O mundo é perigoso, e ai está o legal de viver por aqui.

   Amo essa sensação de nova fase, sinto falta do que já foi e ninguém percebeu, amo essa coisa rosa, vermelha e talvez um tom vinho que me ronda. Uma nova estrada a seguir, e assim me fiz livre mais uma vez...  

Não sejam tolos. O inferno e o céu se faz aqui mesmo.

                                                                                                                             Lectícia Péttine

    

Comentários

  1. O que seria de nós, pobres mortais, se não fosse a saudade? O que seria dos amores que não podem ficar juntos? que outros sentimentos colocaríamos no lugar da saudade?

    E quanto a frase final, o inferno e o céu moram dentro de nós, é parte do que nos forma e não um destino como muitos acreditam.

    Saudades da senhorita.

    Beijos, Lê.
    www.eraoutravezamor.blogspot.co
    www.semprovas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. O mundo é perigoso, e aí está o legal de viver por aqui. Concordo, mas é triste que isso as vezes pareça um auto-consolo, ou algo parecido. Mas de fato, o inferno e o céu se fazem aqui mesmo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário