- Mas o fogo é proveniente, então eu acho que deve ser executado.




 O jornaleiro passa nas ruas gritando alto:
 - A bela moça de cabelos dourados e sorrisos fáceis está de volta,ela foi encontrada, Angelina Kraus, Angelina Kraus!

   Enquanto a mãe, rabugenta, séria e boa conhecedora do mundo amarra seu espartilho com certa brutalidade, Angelina dá pequenos gritos de dor, e desabafa sonhos trancafiados dentro de si mesma, Dona Rosemary aumenta o tom de voz, nunca concorda com o fato de sua filha mais velha ser a mais torta de todas. Clarisse Kraus é o orgulho da família casou-se com um bancário bem sucedido com 14 anos, Roberta Kraus tem 18 e é herdeira de muitos valores por ter casado com o velho dono da fabrica da automóveis, que morreu por causa desconhecida sete dias depois do casamento,tem dois filhos e agora está indo para o segundo marido agora dono de uma fabrica de tecidos finos...Cíntia Kraus com 20 anos tem todas as regalias da cidade pois seu marido é prefeito... Já Valentina é a que mais entende da irmã mais velha... Angelina... Ah Angelina.

   A menina com 22 anos, sorriso de anjo, feições delicadas e nada levado a sério, saiu da pequena e pacata  Cidade das Gotas e foi para cidade grande, era uma aventureira e o que queria mesmo era seguir com a carreira de atriz, nada a segurava e os gritos e tapas de sua mãe só davam a ela mais coragem para seguir em frente.
Fugiu com o circo assim que seu pai Carlos Kraus decidiu que já era hora da filha mais velha se casar, ela tinha apenas 13 anos, o pretendente era o mesmo marido agora falecido de sua irmã Roberta.

  Como sempre Angelina chegou bem tarde em casa, era uma boêmia, apesar de todas as pessoas amarem aquela garota, em 1851 e em uma cidade pequena, senhoras da Igreja e as pessoas futriqueiras da cidade viviam olhando torto como era de se esperar. Angelina por sua vez, gostava mesmo era de aparecer, gostava de ser o centro das atenções, só não era livre...

  Ao 5° badalar do sino da cidade, as serviçais invadem o quarto de Angelina abrindo cortinas e janelas rapidamente, Rosemary arranca Angelina da cama aos tapas e gritos como sempre, a menina ainda um pouco sonolenta levanta também gritando, a noite passada tinha ido a uma cidade vizinha com amigos e alguns conhecidos num baile daqueles que Angelina mesmo comandava e fazia questão de durar a madrugada inteira, foi ali que reencontrou Robert, o músico, o garoto da sua adolescência que ela deixou quando fugiu com o circo... Mas enquanto se lembra de alguns momentos da noite anterior, a voz estridente de sua mãe entra por sua cabeça... E então sente o aperto do espartilho esmagando seu estomago e fazendo ela sentir o enjoo como era quando criança.
  Quando a mãe termina, aos gritos e passos fortes chega até a entrada do quarto de Angelina, olha bem no fundo dos olhos castanhos da menina e resmunga algo como "você não deveria ter nascido", Angelina ri nervosa, e a mãe bate a porta com toda a força gritando para ela descer o mais rápido.

  Angelina vai até a enorme janela, deixa algumas lágrimas caírem, volta a frente do espelho, o pó de arroz e carmim caem perfeitamente no seu rosto, e ela esboça um sorriso falso. Quando finalmente desce, encontra vários homens sérios, velhos, e aparentemente chatos na sala de estar, Clarisse, Roberta e Cíntia estão como sempre e evidentemente usando da maior falsidade e interesse para agradar os homens desconhecidos que desagradam Angelina... Enquanto Angel fica encostada por trás da porta dourada e com flores em relevo no vidro observando triste aquela família que nunca te pertenceu, e os homens idiotas, tolos e ricos que a família almeja, sente falta de Valentina, que chega por trás dela, a irmã ruiva com cachos delicados caindo sobre os ombros, certa e ajuizada, mas que admira tanto Angel por ser livre de espirito e não levar a vida tão a sério como todos faziam ali, ela era um ano mais nova e parecia ser a mais velha das irmãs, não falava nada e sonhava calada, e tinha um poder de persuasão e liderança que a assustava a si mesma, a única que sabia de segredos da sua vida era Angel.

  - Vai ficar tudo bem minha irmã, tudo bem.
Elas se abraçam, Angel começa a chorar baixinho e enfim levanta a cabeça e aperta a mão da irmã bem forte, entra na sala e sauda os convidados.

   Depois de 2 horas falando o que eles queriam e o que Angel fazia, um velho barbudo, meio cego e um pouco surdo chega perto de Angelina e ela se retrai, a mãe faz um sinal severo para ela agir como deve agir, nessa mesma hora Robert passa na rua e Angel fica corada, o desejo era sair correndo dali, e fugir  como fez a anos atrás com o circo . Robert a reconhece, os dois trocam olhares enquanto a família diz o quanto a menina Angelina é talentosa e se esforçando o máximo para impressionar os homens naquela sala, e finalmente casar a filha solteira aos 22 anos. Angelina e Robert trocam olhares, e ela volta a realidade que ela  tanto despreza, começa a pensar o que está fazendo ali, Robert começa a andar de novo, e o velho cego e quase surdo começam a fazer planos, Angelina iria sair da cidade, morar em outro pais, casar com o velho cego e quase surdo, e bom... Nunca mais iria ver Robert de novo, estava sendo obrigada a fazer isso pois foi encontrada por policiais com o circo e se não ficasse ali seria uma fugitiva da polícia, certamente iria ser pressa e por enquanto tinha sonhos ainda.

  Seus olhos se enchiam de lágrimas ao ver Robert partir, Valentina percebeu logo, foi a única testemunha do grande amor da vida de sua irmã, e se pudesse teria fugido também como a irmã.
   Sem mais esperanças, sem nada a dizer nem nenhum sorriso, com um belo vestido e um espartilho apertado, vendo seu amor e sua felicidade ir embora pela janela... Vira a taça inteira do vinho velho na garganta, faz sinal para Valentina, levanta num pulo assustando todos naquela sala, cheia de gente e mesmo assim totalmente vazia, abraça Valentina:

- Eu te amo muito minha irmã, vai dar tudo certo, vai dar tudo certo, eu prometo, mesmo de longe eu estarei junto a ti!

   Pula a janela, deixando todos aflitos e Valentina chorando orgulhosa... Angel rindo como uma fugitiva faria, respira fundo e sai correndo, afrouxando o espartilho e soltando o cabelo gritando por Robert, quando finalmente o alcança, pula na sua bicicleta e diz em meio ao desespero e a adrenalina :

 - VAI, VAI ,VAI, CORRE ROB, CORRE!!!!
 - Louca, você é louca, eu sabia que viria !

   Olham para trás, começam a rir, e vão o mais rápido que podem, para qualquer lugar longe dali, sem destino, sem preocupação, sem nada. Juntos apenas.






Comentários

Postar um comentário